sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Serviço da prefeitura de Macajuba foi mal feito diz moradores de uma rua no distrito de Nova Cruz

Rua Samuel Lopes Foto: Blog Deixa Comigo Macajuba)
Como já foi divulgado aqui no Blog Deixa Comigo Macajuba, a prefeitura vem fazendo o mutirão de limpeza nas ruas tapado buracos, um trabalho que vale apena ser divulgado afinal é para o bem estar da população.

Mas não rua Samuel Lopes próximo à casa de farinha no distrito de Nova Cruz, esse serviço não trouxe alivio para os moradores que sofriam com buracos, agora eles sofrem com muito plástico em meio a terra solta, como se não tivesse caçamba a terra colocada na rua para tapar os buracos foi de um terreno baldio na mesma rua e a terra tinha muito plástico.
terreno baldio onde foi pegada a terra com plastico)

Alguns moradores chamaram a reportagem do Blog do Povo Macajubense para registrar a forma que foi feita o serviço.

Alguns moradores ainda chegaram a reclamar com o fiscal do distrito e com o vereador Adenor Brandão (Toi).

Moradores contaram a nossa reportagem que os plásticos sujam as casas.

Fomos informados que o número de plásticos era maior, mas que foi varrida a rua.

Uma moradora agradeceu a presença do Blog e disse tomara que chova e diminua mais a terra solta e os plásticos possam se soterrar.

No grupo do Blog no WhatsApp, preposto da prefeitura prometeram levar o assunto ao conhecimento do prefeito Fernão.

Com a palavra o pessoal da prefeitura de Macajuba.






Curta Nossa Pagina no Facebook








Comente a matéria na opção comentários a baixo

Fenaj: policiais são os maiores agressores de jornalistas

Foto: tirada do Site Terra)
Essa matéria do Site Terra que mostra um grande número de agressões de policiais com a imprensa reflete não apenas no RJ, parece que o grande vilão da mídia não é apenas os políticos, em Macajuba por exemplo apesar de alguns políticos tentarem intimidar a imprensa o caso mais grave de agressão contra a comunicação e a liberdade de expressão partiu de um policial que xingou o coordenador do Blog Deixa Comigo Macajuba quando o mesmo foi buscar informação, o caso acontecido em outubro de 2014 foi alvo de revolta na cidade, apesar da denúncia na corregedoria da PM o mesmo ainda continua atuando na cidade.


A reportagem do Site Terra diz assim:

O perfil da agressão a profissionais da imprensa mudou nos últimos anos. Relatório da Violência contra Jornalistas 2014, divulgado na quinta-feira (22), no Rio de Janeiro, pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), mostra que os crimes deixaram de ter motivação política e passaram a ser cometidos por policiais, sendo a maioria em manifestações. Dos 129 jornalistas agredidos no país, 62 foram vítimas da violência policial, ou seja, 48,06%.

O documento destaca ainda, em 2014, a morte de três profissionais, entre eles, o repórter cinematográfico da TV Band, Santiago Ilídio Andrade, vítima de rojão disparado por manifestantes em protesto no Rio. Embora em percentual menor do que a violência policial, ataques a jornalistas por pessoas em manifestações chegaram a 16 casos e preocupam.

“A maioria [das agressões] partiu de agentes policiais, principalmente das polícias militares, em boa parte, da polícia paulista, onde teve excesso”, diz o presidente da Fenaj, Celso Schröder. “Em segundo lugar, estão os manifestantes, com 12,4% [das agressões] e políticos, também com 12,4%”, completa. No mundo, Schröder explicou que jornalistas mortos ou vítimas de violência atuam na área de polícia ou na cobertura de conflitos de guerra.

Em comum, as agressões por policiais ou manifestantes ocorreram em protestos, com 50,39% dos casos, sendo a maioria no Sudeste. Em geral, as vítimas trabalhavam em veículos impressos, eram repórteres fotográficos ou cinematográficos, diz o presidente da Fenaj, alertando para a consolidação de uma tendência que começou nas manifestações de 2013.

Para enfrentar esse perigo, a Fenaj cobra que os crimes sejam tratados em esfera federal e que seja criado um Observatório Nacional da Violência. A expectativa é que o órgão seja criado este ano, pela Secretaria de Direitos Humanos e pelo Ministério da Justiça, que passariam a fazer também a interlocução com agentes de segurança nos estados.

No Rio, onde o repórter da Band foi morto, a presidenta do Sindicato dos Jornalistas do município, Paula Máiran, presente ao evento, além de cobrar investigação e responsabilização das agressões, acrescenta que as empresas de comunicação precisam garantir treinamento adequado às equipes, equipamentos de proteção para coberturas e respeito à Cláusula de Consciência dos Jornalistas, que permite ao profissional recusar tarefas em desacordo com o Código de Ética.

Embora não seja uma justificativa para os ataques, Paula avalia que, na capital carioca, “jornalistas nas ruas acabam atacados como representantes das empresas onde trabalham, diante da revolta com a linha editorial manipulada e distorcida de veículos” e lembrou que a prerrogativa de recorrer à Cláusula de Consciência é uma das 16 recomendações feitas às empresas de comunicação pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pelo sindicato.

O Relatório da Violência contra Jornalistas, feito com dados contabilizados pela categoria, segundo a Fenaj, registrou agressões, ameaças, assédio, intimidações, injúria racial, censura, impedimento ao trabalho e prisões/detenções. Segundo o relatório, esses são casos de violações do direito humano à comunicação, à liberdade de imprensa e expressão.

Informações: Terra.
Curta Nossa Pagina no Facebook








Comente a matéria na opção comentários a baixo

Arco íris em torno do sol é visto por algumas pessoas em Macajuba saiba o que esse fenômeno significa

(Imagem ilustrativa do fenômeno)
Na manhã desta quinta-feira dia (22) uma jovem Macajubense entrou em contato com O Blog Deixa Comigo Macajuba para falar de um fenômeno meteorológico que ela estava vendo no sol, ela disse: sempre costumo olhar a beleza do sol e foi aí que me surpreendi com esse fenômeno, imediatamente chamei as pessoas da milha família para conferi, porem o sinal já estava bem apagado”

A jovem pediu que a reportagem do Blog Deixa Comigo Macajuba pesquisasse sobre o assunto, segundo ela outras pessoas também viram o fenômeno.

O bonito fenômeno se parece com um arco-íris fraco ao redor do sol. O halo solar só se forma na presença da camada de nuvens cirrustratos. Estas nuvens são compostas basicamente por pequeninos cristais de gelo que interagem com a luz do sol criando o halo. Os cristais de gelo funcionam como prismas que refletem e refratam várias vezes a luz do sol, separando a luz em suas diversas cores.

O fenômeno se chama "halo solar" e não é muito diferente de um arco-íris. A coroa aparece no céu quando a luz do Sol é refletida e refratada por cristais de gelo na atmosfera - repare que o desenho surge próximo a camadas de nuvens.

Como a luz branca contém, potencialmente, todas as demais cores, a sua incidência nos cristais produz um caleidoscópio cromático que brilha de 5 km a 10 km acima de nós, na troposfera superior. Em outras palavras, os cristais funcionam como espelhos e prismas, "filtrando" diferentes comprimentos de onda (cores) das ondas luminosas solares.

Os cristais são formados em razão da diferença de temperatura entre o dia e a noite, podendo ser observados mesmo sob a luz da Lua. E atenção: um fenômeno como esse é um grande aliado dos meteorologistas, já que ocorre nas nuvens cirrostratus, (nuvens altas entre 6000 e 10000 metros com a aparência de um véu muito fino), que servem para prever a aproximação de um sistema frontal - ou seja, pode vir chuva por aí.

A temperatura em Macajuba tem ficado acima dos 35 C° nos últimos dias, de acordo com o clima tempo a temperatura continuará quente em Macajuba e a máxima chegará aos 36 C° e poderão ter pancadas de chuvas no fim de semana.

Confira a em nossa categoria Previsão do Tempo para Macajuba

 Curta Nossa Pagina no Facebook








Comente a matéria na opção comentários a baixo

Corinthians mereceu vaga na final da Copinha, diz Belletti

Corinthians aproveitou as chances e conseguiu suportar a pressão (Foto: Miguel Schincariol / saopaulofc.net)

Timão venceu São Paulo por 3 a 0 e terá o Botafogo-SP pela frente na decisão. Ex-jogador elogiou eficiência e oportunismo dos alvinegros

A semifinal da Copa São Paulo de Futebol Júnior colocou dois rivais paulistas frente a frente, nesta quinta-feira, em Limeira, e o Corinthians levou a melhor ao vencer o São Paulo por 3 a 0. A classificação do Timão foi merecida, na opinião do comentaristaBelletti, que elogiou especialmente a eficiência do alvinegro, que aproveitou melhor as oportunidades e vai brigar pelo título com o Botafogo-SP no próximo domingo, às 10h45m, no Pacaembu.



- Foi uma vitória merecida do Corinthians pela capacidade decisiva de seus jogadores, que tiveram poucas ocasiões, souberam tirar proveito dos erros da defesa do São Paulo e conseguiram construir o placar. Defensivamente, sofreram um pouco com a pressão do São Paulo, mas conseguiram aguentar. Vai para a final um time que marcou muitos gols na competição, mas que, principalmente, tem um sistema defensivo que funcionou muito bem - analisou.


O Timão abriu o placar aos 21 minutos, com Matheus Vargas, e ampliou a vantagem dez minutos depois, quando surpreendeu com uma cobrança rápida de falta que terminou no gol de Léo Príncipe. O São Paulo tentou reagir e pressionou, especialmente no início no segundo tempo, mas desperdiçou as chances e viu o rival ampliar, aos 26, com Gabriel Vasconcelos.


- O São Paulo conseguiu chegar mais à intermediária, até a área, mas não conseguiu concluir isso em gols (...) O Corinthians foi pouco, mas foi mais decisivo, mais efetivo. Os jogadores estavam muito mais ligados nessas oportunidades. Às vezes, uma equipe não consegue criar muitas chances de gol e nas poucas que tem consegue tirar proveito. O Corinthians fez muito bem isso e está na final - afirmou.



O Botafogo-SP, o outro finalista, eliminou o Palmeiras com uma vitória por 2 a 1, em Barueri. O "SporTV" transmite a decisão ao vivo, domingo, às 10h45m (horário de Brasília).

Fonte: SporTV

Curta Nossa Pagina no Facebook









Comente a matéria na opção comentários a baixo

Tire suas duvidas sobre as Bandeiras Tarifáis na sua conta de energia

Foto ilustrativa do modelo da bandeira tarifáis
Começou a valer agora em Janeiro de 2015, as contas de energia terão uma novidade: o Sistema de Bandeiras Tarifárias. As bandeiras verde, amarela e vermelha indicarão se a energia custará mais ou menos, em função das condições de geração de eletricidade.

Para facilitar a compreensão das bandeiras tarifárias, 2013 e 2014 serão Anos Testes. Em caráter educativo, a ANEEL divulga mês a mês as bandeiras que estariam em funcionamento. Consulte ao lado quais bandeiras estariam valendo agora em cada um dos subsistemas que compõem o Sistema Interligado Nacional (SIN).

Além disso, as distribuidoras de energia divulgarão, na conta de energia, a simulação da aplicação das bandeiras para o subsistema de sua região. O consumidor poderá compreender então qual bandeira estaria valendo no mês atual, se as bandeiras tarifárias já estivessem em funcionamento.


O sistema possui três bandeiras: verde, amarela e vermelha – as mesmas cores dos semáforos - e indicam o seguinte:
Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo;
Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo de R$ 1,50 para cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos;
Bandeira vermelha: condições mais custosas de geração. A tarifa sobre acréscimo de R$ 3,00 para cada 100 kWh consumidos.

Consulte as perguntas e respostas abaixo e tire suas dúvidas sobre as bandeiras e como são calculadas.

Por que foram criadas as bandeiras tarifárias?

A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente por usinas hidrelétricas. Para funcionar, essas usinas dependem das chuvas e do nível de água nos reservatórios. Quando há pouca água armazenada, usinas termelétricas podem ser ligadas com a finalidade de poupar água nos reservatórios das usinas hidrelétricas. Com isso, o custo de geração aumenta, pois essas usinas são movidas a combustíveis como gás natural, carvão, óleo combustível e diesel. Por outro lado, quando há muita água armazenada, as térmicas não precisam ser ligadas e o custo de geração é menor.

As bandeiras tarifárias são mais um custo que será incluído à conta de energia?

As bandeiras tarifárias são uma forma diferente de apresentar um custo que hoje já está na conta de energia, mas geralmente passa despercebido. Atualmente, os custos com compra de energia pelas distribuidoras são incluídos no cálculo de reajuste das tarifas dessas distribuidoras e são repassados aos consumidores um ano depois de ocorridos, quando a tarifa reajustada passa a valer. Com as bandeiras, haverá a sinalização mensal do custo de geração da energia elétrica que será cobrada do consumidor, com acréscimo das bandeiras amarela e vermelha. Essa sinalização dá, ao consumidor, a oportunidade de adaptar seu consumo, se assim desejar.


Como foram calculados os custos de cada bandeira?

A aplicação das bandeiras é realizada conforme os valores do Custo Marginal de Operação (CMO) e do Encargo de Serviço de Sistema por Segurança Energética (ESS_SE) de cada subsistema.

O Custo Marginal de Operação (CMO) equivale ao preço de unidade de energia produzida para atender a um acréscimo de demanda de carga no sistema, uma elevação deste custo indica que a geração de energia elétrica está mais custosa. Um CMO elevado pode indicar níveis baixos de armazenamento de água nos reservatórios das hidrelétricas e condições hidrometeorológicas desfavoráveis, isto é, poucas chuvas nas bacias dos rios. O CMO também é impactado pela previsão de consumo de energia, de forma que um aumento de consumo, em decorrência, por exemplo, de um aumento da temperatura, poderá elevar o CMO. Quando isso acontece, as usinas termelétricas entram em operação para compensar a falta de água dos reservatórios das usinas hidrelétricas ou o aumento de consumo e, assim, preservar a capacidade de geração de energia dessas hidrelétricas nos meses seguintes.

Já os Encargos de Serviço do Sistema (ESS) são aqueles decorrentes da manutenção da confiabilidade e da estabilidade do Sistema Interligado Nacional (SIN). Os custos de ESS por segurança energética advêm da solicitação de despacho do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para realizar geração fora da ordem de mérito de custo, ou seja, despachar geração mais custosa (térmicas), visando garantir a futura segurança do suprimento energético nacional.

Juntos, o CMO e o ESS_SE determinam a bandeira a ser adotada em cada mês, por subsistema:
Bandeira verde: CMO + ESS_SE menor que R$ 200,00/MWh (duzentos reais por megawatt-hora);
Bandeira amarela: CMO + ESS_SE igual ou superior a R$ 200,00/MWh e inferior a R$ 350,00/MWh;
Bandeira vermelha: CMO + ESS_SE igual ou superior a R$ 350,00/MWh.


Uma vez por mês, o ONS calcula o CMO nas reuniões do Programa Mensal de Operação (PMO) - quando também é decidido se haverá ou não a operação das usinas termelétricas e o custo associado a essa geração. Após cada reunião, com base nas informações do ONS, a ANEEL aciona a bandeira tarifária vigente no mês seguinte.


Eficiência energética: como economizar?

Com a aplicação das bandeiras tarifárias, o consumidor tem a oportunidade de gerenciar melhor o seu consumo de energia elétrica e reduzir o valor da conta de luz. O avanço da tecnologia permite usar menos energia para atender a uma mesma necessidade. Ou seja, obter o mesmo conforto ou os mesmos serviços com uma quantidade menor de recursos energéticos.

Utilizar a energia elétrica de forma consciente e racional é muito importante para o consumidor de energia elétrica e para a sociedade. Além de economizar na conta de luz, o uso eficiente de energia elétrica ajuda a evitar sua escassez. As ações de combate ao desperdício ajudam a evitar um aumento do preço final da energia elétrica.

Fonte: ANEEL- Agência Nacional de Energia Elétrica


Curta Nossa Pagina no Facebook









Comente a matéria na opção comentários a baixo

Publicidade Google

Publicidade Google