Blog Deixa Comigo Macajuba (DCM): Cáritas Diocesana de Ruy Barbosa apresenta suas ações em intercâmbio com Alemanha e Moçambique

Ouça agora: Web Rádio DCM, A primeira rádio online de Macajuba, filiada a Rede Somzoomsat

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Cáritas Diocesana de Ruy Barbosa apresenta suas ações em intercâmbio com Alemanha e Moçambique

|    
O território da Diocese de Ruy Barbosa recebeu, entre 24 e 26 de setembro, o Intercâmbio de Experiências do Projeto Água para Viver: Uso Sustentável da água no semiárido, desenvolvido pelas Cáritas Alemã e Brasileira, com apoio da Mercedes Benz. A ação beneficia 120 famílias, que por meio do projeto estão vivenciando princípios da agroecologia e convivência com semiárido.



O primeiro momento foi marcado pela mística e apresentação dos representantes da Mercedes Benz e das Cáritas Alemã, Diocesana de Chimoio (Moçambique), Brasileira Regional Nordeste 3 e Diocesana de Ruy Barbosa. Em sua saudação inicial, Dom André de Witte, bispo diocesano de Ruy Barbosa, destacou o papel social e eclesial da igreja. “ É fundamental a participação na construção de uma sociedade justa e igualitária, a serviço da vida. Fé e vida é algo essencial para nós”, disse.Em seguida, foram apresentadas as ações da Cáritas Regional e Diocesana. Gabriel Reis, assessor da Cáritas, destacou como iniciativas no semiárido a captação e armazenamento da água de chuva, enfrentamento a estiagem, produção, consumo e comercialização de alimentos e os bancos de sementes. “Essas ações vêm fortalecendo e garantindo que essas famílias permaneçam em seus territórios e gerem renda, possibilitando que os filhos possam estudar e não precisarem migrar", pontuou Reis.






Moisés José, da Cáritas Diocesana de Chimoio, partilhou a experiência do projeto "Segurança alimentar, prevenção a seca e desenvolvimento sustentável na província de Manica", que objetiva garantir água potável para 700 famílias. " A pouca água disponível encontra-se nos leitos dos rios periódicos em que as famílias abrem pequenas covas para buscar o precioso liquido partilhando as mesmas fontes com os animais, explicou.



Para Jutta Herzenstiel, da Caritas Alemã, as ações no Brasil e em Moçambique são sinais de esperança. "Muitas pessoas, de diversos lugares e diveras culturas, tem a ideia de ajudar outras pessoas", afirma.


A programação do Intercâmbio segue até o sábado (29) passando pelas cidades de Uauá e Juazeiro, onde os participantes conhecerão cisternas, minifabricas, cooperativa e as ações do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (IRPAA). Conheça algumas experiências que integraram a programação do intercâmbio na diocese de Ruy Barbosa:


MACAJUBA



Agrária (Paó) - A comunidade Agraria (Paó) é composta por cerca de 120 famílias. Dona Clemilda é uma das agricultoras que experimentam a transformação da comunidade, com a chegada de iniciativas de Convivência com o Semiárido. Hoje a comunidade conta com cisternas de consumo, produção e uma casa de sementes, que contribuem com o fortalecimento da segurança e soberania alimentar.“São seis anos produzindo direto, mesmo com a estiagem”, explica Clemilda, que por meio do projeto dá seus primeiros passos na área da apicultura e criação de galinhas.




A apicultura é um dos destaques na produção do município. A Associação dos Criadores de Abelha do Município de Macajuba produz cerca de cinco toneladas por colheita e três colheitas anuais. Além do impacto na renda e na melhoria da saúde das pessoas que desenvolvem a atividade e passam a consumir os produtos, a apicultura também fortalece a preservação da vegetação, devido ao trabalho de polinização das plantas, feito pelas abelhas, e o plantio de mudas feito pelos apicultores. 


RUY BARBOSA



Escola Família Agrícola Mãe Jovina - Em 1993 tornava-se realidade a Escola Família Agrícola Mãe Jovina, uma iniciativa que fortalece a adequação da escola à vida do campo. Através da pedagogia da alternância, os estudantes passam parte do tempo escolar aprendendo a trabalhar com a terra, plantas, animais e a conviver e interagir com a realidade agrícola, e outra parte em sua comunidade, aplicando o conhecimento a sua realidade.



A primeira turma da escola contou com 46 estudantes, sendo apenas 4 deles mulheres. Vinte e cinco anos após sua criação, a escola é marcada pela diversidade e atende 5 territórios, 14 municípios, 176 estudantes e cerca de 150 famílias. É oferecido o ensino médio e os estudantes concluem sua trajetória escolar com a formação técnica em agropecuária.



A Escola Agrícola estimula que seus estudantes estejam em espaços de incidência política, a reflexão crítica e o debate de temas importantes, como gênero. Uma das maiores contribuições dessa iniciativa é o fortalecimento da convivência com o semiárido e de um novo horizonte para a juventude rural, anteriormente marcada pelo alto índice de migração para os grandes centros urbanos.


Dentre as atividades de destaque estão as experiências voltadas para a agricultura familiar, biodigestores e recuperação de áreas degradadas e improdutivas, através das agro florestas. Através do estágio, esse conhecimento é partilhado com as famílias do projeto “Água para viver: O Uso Sustentável da água no semiárido”.

BAIXA GRANDE

Associação de Mulheres do KM 4 - Valmirete da Silva é uma das protagonistas da Associação de Mulheres do KM 4. Confira seu relato:


“Eu nasci no Povoado Massaranduba, uma comunidade na zona rural do município de Baixa Grande. A principal fonte de renda das pessoas da minha comunidade é a agricultura e o principal desafio é a falta de água. Moro no Nordeste, no Semiárido, onde tem mais seca do que chuva e ainda existe dificuldade em guardar a água para os tempos de estiagem. A reserva de água que tem na comunidade veio do projeto de convivência com semiárido onde quase todas as famílias foram contempladas com uma cisterna de 16 mil litros para a o consumo, mas nem todos tem acesso aos tanques para produção e sem água não há produção. 


A associação surgiu com um movimento do dia internacional da mulher. Muitas mulheres estavam com a autoestima baixa, inclusive eu era uma delas, então se formou um grupo e sentimos a necessidade de gerar renda para nos tornarmos mulheres mais empoderadas.


Através do projeto aconteceram capacitações e o grupo se identificou com a produção de polpas, pois havia muito desperdício de frutas na comunidade. No princípio, não tinha nenhum fundo de reserva nem dinheiro para poder comprar os frutos para produção das polpas e várias mulheres que tinham acerola, cajá, manga, goiaba, maracujá e outras frutas colhiam e doavam para o grupo. Hoje, a gente já não faz mais esse processo de receber doação, fazemos questão de comprar das mulheres que doaram as frutas no início e dos produtores da região.



Com a instalação das cisternas de produção, pequenos produtores - mesmo não tendo uma roça de maracujá ou acerola - têm cinco, seis pés que são irrigados com essa água e ajudam no sustento. Tenho exemplo de muitas famílias que melhoraram muito de vida depois do projeto por ter onde trazer os seus produtos. Assim que colhem uma ou duas caixas de frutas já telefonam pra gente pegar. Isso gera renda para família.”



Associação Comunitária dos Produtores Rurais de Santa Cecília - Na década de 1990, Santa Cecília foi uma das primeiras comunidades a ser contemplada por ações de convivência com o Semiárido, através da construção de cisternas de consumo de 16 mil litros.



Sem apoio governamental na época, o financiamento para implementação das tecnologias ocorriam através de recurso de entidades e organizações de outros países e entidades locais como a Paróquia e a Diocese, que captavam recurso e aplicavam em projetos sociais. Por esses recursos serem insuficientes para atender as demandas de toda comunidade e para incentivar a organização coletiva e a solidariedade, eram aplicados na modalidade de fundo rotativo. Com isso as famílias assumiam o compromisso de devolver o recurso que foi aplicado para que a tecnologia fosse multiplicada e outras famílias pudessem ser contempladas.



Nos anos 2000, com o apoio governamental para implementação de tecnologias de captação de água de chuva, o recurso do fundo rotativo passou a apoiar outras ações dentro da comunidade, como o beneficiamento de polpa de frutas, construção de banheiros e reforma de casas.



A iniciativa de fundo rotativo implementada e mantida até os dias atuais tem proporcionado que as famílias e a comunidade tenham uma vida mais digna, através da inclusão sócio produtiva, geração de renda e elevação da autoestima, através da valorização do seu trabalho e da organização comunitária.


Essa experiência, mostra como as pequenas iniciativas podem contribui com a inclusão social e econômica das comunidades no semiárido.


VÁRZEA DO POÇO

Reflorestamento - Localizado a cerca de 6km do centro de Várzea do Poço (BA), o sitio Axixá se tornou uma referência a partir da iniciativa de reflorestamento no Semiárido.


No pequeno sítio herdado de seus pais, o senhor Di, como é chamado, se propôs a fazer uma experiência até então inédita na região. Cansado de ver tantas cenas de desmatamento e uso de agrotóxico nas pastagens para criação de bovinos, se propôs a fazer algo diferente e necessário. Após conseguir uma cisterna de produção, construiu um viveiro de mudas com plantas frutíferas e nativas e começou a reflorestar a propriedade.


Nela , ele produz alimentos no sistema agroflorestal, aliando a produção de alimentos com plantas nativas, aliando a conservação do solo e preservação da fauna e flora.


Educação Contextualizada - A aula pode ser entre quatro paredes, debaixo de um pé de umbu, em uma praça ou em qualquer outro lugar que favoreça a contextualização da realidade local nas práticas de ensino. Essa é a essência da educação contextualizada.


O município de Várzea do Poço deu seus primeiros passos com a experiência de educação contextualizada no semiárido através do projeto “A educação que a gente quer do jeito que a gente é”, realizado com o apoio da Cáritas Diocesana de Ruy Barbosa. Hoje Várzea do Poço é referência na questão, auxiliando outras cidades com a implementação dessa prática educativa, como a comunidade de Queimada Grande, em Banzaê (Ba).


Fonte: 

https://caritasruybarbosa.blogspot.com/2018/09/caritas-diocesana-de-ruy-barbosa.html?m=1


Publicidade:

Comente com o Facebook:

Deposito de Bebidas São Bernardo

Bebidas, Gelo, Água, Carvão, Descartáveis e muito mais. Aberto todos os dias das 8:00 as 19 horas. Trabalhamos com evento, além de cerveja, frios, alimentos você também encontra o delicioso picolé.

Temos excelentes preços. Disque entrega: (74)9 99448708 Aceitamos cartão de credito e debito

Mensagem de natal: Cliente amigo, agradecemos sua presença, sua amizade e confiança dedicada durante esse ano que está terminando. Que o natal seja um momento de harmonia e que no próximo ano possamos compartilhar juntos suas conquistas. Boas Festas e um ótimo ano novo para você e toda sua família. São os votos de Lais e Robson. AV. Frederico Costa, N 66. Centro, Macajuba BA

Arquivo do blog

Total de Visitas

Volte ao ▲ Topo