quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Ameaça de fechamento de escola volta a deixar moradores revoltados na zona rural de Macajuba

(Foto enviada por moradores)


Em fevereiro de 2018, os moradores da região da Lagoa Funda, próximo a Volta na zona rural de Macajuba, pediram apoio ao Blog do Povo Macajubense para demonstrarem indignação sobre o possível fechamento de uma escola.

Depois disso a prefeita Mary esteve na localidade, acompanhada da secretária de educação Sandra Dias, do chefe da empresa de transporte Alexandro Macedo (Coelho) e da vereadora Vanda da Malhada Nova, no intuito de junto com os pais chegarem a um acordo e fechar a escola, que tem 42 alunos, mas os moradores não aceitaram.

A prefeita disse que os moradores já estavam decido, pois até o Blog já tinha procurado, os pais de alunos aproveitaram para cobrar melhoria na escola e a prefeita disse que irá fazer uma melhoria aos poucos.



O assunto sobre a possível desativação da escola repercutiu após nossa matéria e foi parar na Câmara de Vereadores, o vereador Neto Macêdo, falou que quanto mais escolas abertas menos será abertura de presidio, Netinho, falou que a escola não seria fechada sem o consentimento dos pais, o que chamou a atenção foi que a reunião com a prefeita já tinha acontecido e não foi citada na Câmara.

Agora no inicio de 2019, moradores informaram que a Secretaria de Educação do Município voltou a ameaçar de fechar a escola.

Uma das mensagens enviada ao Blog Deixa Comigo Macajuba, a moradora diz: “Acredita que a Sandra a iram de Mary vai fechar a escola daqui da volta, mais o povo falou que vai lutar pra isso não acontecer, mas disseram que ela já está com a papelada toda pra fechar, mais ela não vai conseguir.”

A reportagem do Blog Deixa Comigo Macajuba(DCM) esteve na secretaria de educação do município, mas Sandra Dias estava em reunião com diretores de escolas, ligamos para a secretaria e a secretária disse que tem dados que não podia explicar por telefone e que O Blog precisaria marcar um dia para falar com ela devido as atividades da Secretaria de educação, Sandra negou que tem 40 alunos na escola e disse que não é nada pra prejudicar ou beneficiar ninguém como foi levantado no grupo do Blog Deixa Comigo Macajuba(DCM).

Vale lembrar que uma moradora da localidade deu outra informação disse que tinha 39 alunos saiu 1 e entrou mais 7.

Conversamos com Josete Macedo, que é presidente do CME, ela disse: “Nunca tratamos dessa questão nas reuniões do Conselho.

Desde 2013 que o CME vem tendo muita dificuldade com a Secretária na luta da legalização das autorizações/renovação de funcionamento das escolas municipais que funcionam todas ilegalmente.”

O povo daquela localidade aguarda um esclarecimento eficaz por parte da Secretaria de Educação.



Para fechar escolas de educação no campo, indígenas e quilombolas, a decisão tem que passar por uma manifestação da comunidade escolar. O Congresso Nacional decretou e a presidenta Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira, 27, a Lei 12.960, publicada no Diário Oficial da União, que altera o artigo 4º da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9394/1996).



A lei estabelece que antes de fechar escola da educação básica pública que atenda estudantes residentes no campo, indígenas e quilombolas, o prefeito ou secretário de educação precisa ouvir o conselho municipal de educação, que é o órgão normativo e tem na sua composição representantes dos gestores e de toda a comunidade escolar. O conselho deverá receber uma justificativa apresentada pela secretaria de educação, com a análise do impacto sobre o fechamento.


Declarações registradas no MEC pela prefeitura de Macajuba sobre a escola em 2017.






Publicidade:

Ônibus tomba no anel de contorno de Macajuba no inicio da tarde desta quinta-feira (24)



Na tarde desta quinta-feira, 24 de janeiro de 2019, um ônibus tombou no anel de contorno de Macajuba, segundo o internauta que esteve no local, o motorista teria tentado desviar de um caminhão que estava parado e perdeu o controle caindo na ribanceira.

De acordo com informações o ônibus estava indo pra cidade de Mairi BA, com senegaleses. 
Ninguém ficou ferido.


(Foto: Internauta)


Da redação: Blog Deixa Comigo Macajuba(DCM)




Publicidade:

Vários profissionais da educação de Macajuba voltaram ao trabalho e ainda estão sem receber o 1/3 de Férias e eles acreditam ser uma represália da prefeita, pelo segundo ano consecutivo




Os professores e demais trabalhadores da Educação de Macajuba estão, até o momento, 24 de janeiro de 2018, onde vários profissionais já retornaram de ferias e ainda estão sem receber o 1/3 de Férias, um direito adquirido tendo base na Constituição Federal, CLT e Estatuto dos Servidores de Macajuba.



O terço de férias, por força das Leis deveria ter sido para ser pago até o dia 19 de dezembro de 2018 (2 dias antes das férias), contudo mais uma vez os trabalhadores em educação e as Leis são ignorados pelos Gestores de Macajuba.



O sindicato oficializou a solicitação de cumprimento da Lei e pagamento do 1/3 de férias junto a prefeita e a secretaria desde 14 de dezembro/2018.

Veja abaixo:







#cumprimentodasleis

#respeitoaosdireitosdostrabalhadores

A nota foi enviada ao Blog pela APLB Sindicato de Macajuba.


Muitos macajubeses acreditam que seja uma represália  da gestão por que muitos profissionais da educação vem reivindicando seus direitos e muitos deles tem tratado com indiferença a gestora pela forma com que eles vem sendo tratados.

Fomos até a Secretaria de Educação e a secretária Sandra Dias está em reunião com o diretores de escola, ligamos novamente e ela disse que o 1/3 de ferias vai ser pago.

O que chama a atenção é que tem quase um mês que a prefeitura promete pagar e não explica o motivo pelo qual não pagou e por lei deveria ter pago no dia 19 de dezembro de 2018.




Esta mesma reivindicação dos profissionais da educação aconteceu também nas férias de 2018 e novamente se repete.





Publicidade:

ESTUDO COLOCA MACAJUBA ENTRE OS MUNICÍPIOS QUE MENOS INVESTEM EM SAÚDE


O Conselho Federal de Medicina divulgou na última segunda-feira,21 de janeiro de 2019, um estudo sobre o gasto dos municípios brasileiros com Saúde. De acordo com a análise do Conselho cerca de 2.800 municípios brasileiros gastaram menos de R$ 403,37 por habitante durante todo o ano de 2017.

Na Bahia, 391 dos 417 municípios fizeram investimentos abaixo da média nacional (R$ 403,37), sendo que, o maior valor aplicado por uma prefeitura baiana, com recursos próprios, em Ações e Serviços Públicos de Saúde (ASPS), foi de R$ 2.017,00 por habitante, em São Francisco do Conde. Do lado oposto do ranking está Conceição do Coité. O município investiu apenas R$ 122,84 por morador.

Macajuba está na 75ª posição no ranking dos municípios baianos, tendo em vista que em 2017, o município investiu R$ 307,53 por habitante.  A pesquisa foi iniciada em 2013 e naquele ano o município investiu R$ 326,95. Ou seja, fazendo uma comparação no período nota-se uma redução de 6% no gasto com Saúde.

Em Macajuba, essa redução nos investimentos em Saúde, caminha na contramão da arrecadação municipal. No mesmo período pesquisado pelo Conselho Federal de Medicina, os repasses constitucionais para o município de Macajuba aumentaram em 24%, segundo o site do Tesouro Nacional. Sendo assim, nota-se que enquanto a arrecadação do município aumentou no período, o investimento em Saúde por habitante seguiu o caminho inverso e foi reduzido.


(Foto: Arquivo Blog Deixa Comigo Macajuba(DCM)


Fonte: Portal Conselho Federal de Medicina 


Publicidade:

Publicidade Google

Publicidade Google